segunda-feira, setembro 12, 2005

Nascimento da Audientis

















Aqui fica o discurso do Sr. Presidente deste projecto.


Avintes, 3 de Setembro de 2005
Salão Nobre do Clube Recreativo Avintense


Discurso de apresentação pública da Audientis – Centro de Documentação e Investigação em História Local pelo Presidente da Direcção da Audientis, José Vaz.


– Senhor Vice – Presidente da Assembleia-Geral da Audientis – Dr. Francisco Flores;

– Senhores Membros do Concelho Fiscal da Audientis, Dr. André Marques e Dr. Jorge Cardoso;

– Senhor Presidente da Assembleia-geral do Clube Recreativo Avintense, Dr. Dionísio Alves Pereira;

– Senhor Representante da Junta de Freguesia de Avintes, Dr. António Cardoso;

– Senhor Prof. Dr. Gonçalves Guimarães, em representação das Personalidades Académicas e Científicas que apoiam este projecto;

– Senhores Representantes das Colectividades Avintenses;

– Digníssima Imprensa Regional;

– Excelentíssimos convidados;

– Caríssimos colegas da Faculdade de Letras da Universidade do Porto;

– Minhas Senhoras e meus Senhores,


Há cerca de 3200 anos, no tempo de Ramsés II – faraó egípcio da XIX dinastia, alguém escreveu num túmulo estas palavras:
“Vivos que andais na terra, que amais a vida e odiais a morte, pronunciai o meu nome para que eu viva...”

O apelo desse desconhecido contém um dos desejos mais profundos de cada homem e de cada sociedade humana para que conservem na memória dos vivos a sua existência passada.

Conservar a memória dos homens é, como disse o sábio da historiografia portuguesa, José Mattoso, “recordar o passado é uma forma de lutar contra a morte.

É essa uma das muitas funções da História e o ofício do historiador é, sobretudo, realizar o diálogo entre esse passado e o nosso presente.

Diálogo imprescindível que, ao nível sítios, das pequenas pátrias, neste tempo de globalização, muito contribui para reforçar o sentido de pertença, para a preservar a memória, para desenvolver a consciência social e para promover a cidadania patrimonial.


Crentes no papel da História, como ciência do homem através dos tempos e dos espaços muitos de nós, nascidos e criados num sítio que respira história em cada pedra do caminho, em cada esquina de rua, em cada lugar, sentimos que é nosso dever preservar para transmitir o que os nossos ancestrais nos legaram.

Para isso, aqui estamos neste acto de nascimento, diante de vós, testemunhas do nosso primeiro som existencial.

Simbolicamente, escolhemos o Clube Recreativo Avintense porque foi aqui, neste venerando espaço, que a sociedade civil avintense ergueu há, 116 anos, a sua primeira experiência de associativismo laico e foi aqui que nasceu muita da história que Avintes conhece e cujo caso mais recente, é o da Festa da Broa, que hoje celebra a sua 18ª edição.

Embora a nossa acção seja para alargar ao Concelho de Gaia e à Região Norte, tomamos como designação deste projecto o topónimo Audientis que, segundo o sábio da historiografia portuguesa, Armando de Almeida Fernandes, na sua obra “Paróquias Suevas e Dioceses Visigóticas”, seria o nome que Avintes tinha na segunda metade do século VII, no reinado do rei visigótico Vamba, que reinou entre os anos 672 e 680.

Na hora do nascimento deste projecto, pensamos ser nossa obrigação evocar a memória dos primeiros historiadores de Avintes, que elegemos como nossos patronos e à sombra dos quais nos acolhemos como se de um manto protector se tratasse. São eles:

Teodósia de Magalhães, religiosa do Mosteiro de S. Bento da Avé Maria, no Porto, que nasceu no lugar do Paço, em Avintes, que viveu entre 1667 e 1712 e escreveu a obra histórica “A “Firme Esperança dos Sebastianistas”.

Inocêncio Osório Lopes Gondim, fundador do Clube Recreativo Avintense, 1º Presidente da Câmara de Vila Nova de Gaia após a proclamação da República, que viveu entre 1863 e 1937 e escreveu a notável obra “Avintes e as suas Antiguidades”.

Avintes e muitas outras terras do concelho de Gaia são produtoras de significativo acervo documental e iconográfico.
Mas a insensibilidade de alguns e o desleixo de outros fazem com que muitos desses traços da vivência passada se percam e assim comprometam a compreensão histórica daqueles que nos hão-de suceder no devir histórico. Que o digam os que estudam as nossas colectividades.

Quando vão à procura dos documentos, na maioria dos casos, deparam-se com um deserto de fontes em colectividades recheadas de anos de vida e de história.

Queremos transformar esta situação.

Ao nível da produção historiográfica, com raras excepções, quase todos os trabalhos têm sido assinados por historiadores por amor a quem devemos, apesar de algumas limitações metodológicas e científicas, o conhecimento do passado das nossas comunidades.

Também, neste aspecto, queremos intervir com o nosso saber e com os nossos conhecimentos científicos.

Para atingir estes objectivos propomo-nos, a médio e a longo prazo:

– Criar um Centro de Documentação onde se guarde e conserve toda a documentação relativa à História de Avintes e seja destinado à investigação da sua História Local visando a elaboração e publicação de uma “Abientae Monumenta Historica”.

– Realizar “Jornadas de História das Pequenas Pátrias” onde se apresentem as novas investigações, descobertas ou interpretações históricas sobre a História Local e a Cidadania Patrimonial, extensivas às freguesias do Concelho de Gaia;

– Criar um Instituto de Ensino Superior (Universidade Sénior ou Permanente) onde as pessoas sem instrução formal universitária, em idade adulta, possam adquirir e/ou aprofundar conhecimentos de carácter universal.

– Organizar Visitas a Sítios com História e promover o turismo histórico.

– Organizar um Curso Livre de História Local nas Escolas EB-2/3.

– Ensinar a fazer Árvores Genealógicas;

– Prestar serviços de investigação de propriedades antigas;

– Prestar aconselhamento toponímico na atribuição dos nomes de ruas e de urbanizações:

– Defender o património histórico;

– Exportar esta experiência para todas as Terras de Gaia.

Pronto, nascemos e queremos proclamar “urbi et orbi” que estamos aqui e somos uma mais-valia científica para os amigos do saber, para as crianças, para as colectividades, para as autarquias e para as demais instituições económicas, sociais, cívicas e religiosas.

Com todos colaboraremos, se isso for do seu interesse, e com base em protocolos de cooperação mútua.

Nesta primeira fase, integram esta cooperativa cultural sem fins lucrativos, homens e mulheres com licentia docendi, outorgada por uma Universidade ou ainda em formação numa Instituição de Ensino Superior.

Com o tempo, integraremos os historiadores por amor, cronistas e personalidades que muito têm contribuído para o conhecimento e a preservação da História Local e Regional.

Abrir-nos-emos, também, a profissionais de outras áreas pois a universalidade do saber a isso o exige.

Assumimo-nos como uma instituição de natureza profissional e, doravante, insistiremos que quem deve tratar da História são aqueles que tem competência para isso, tal como se exige a um médico, a um arquitecto ou a um engenheiro.

Entendemos que chegou a hora de dar à História o que é dos historiadores.

Minhas senhoras e meus senhores, termino como comecei.

Sem a História, sem a memória, um homem, uma comunidade, um povo seriam privados da sua dimensão de humanidade.

Acrescentamos algumas fotos do evento, num post dedicado só à reportagem fotográfica. Desde já agradecemos ao nosso profissional Flávio Miranda.

7 comentários:

Anónimo disse...

Sleepers
Your source of information and conversation about education in Georgia and the nation.
Cool blog. Your writing style is great.

My site is on gardening if you're interested in taking a look. I'm working on getting lots of information about gardening gifts.

Hope you can find a minute to take a peek.

Flávio Miranda disse...

Acho que os créditos fotográficos deveriam ter ficado entre nós, Luís. Mas já que é para todos verem, acho que tirei umas belas fotografias.
O Presidente Vaz esteve em grande. Audientis promete ser uma "cooperativa" de futuro.
Abraço para todos.

Gonçalo disse...

Long Life Audientis ! Parabéns, Sr. Vaz por toda a confiança e determinação colocada na realização deste projecto

Gonçalo disse...

Caros Blogeiros

A propósito dos debates que aqui já temos tido sobre o futuro da História no panorama nacional e internacional, sugiro uma consulta a dois sites de certa forma complementares - o manifesto espanhol "HISTORIA A DEBATE" e o site pessoal do seu coordenador (também historiador), Carlos Barros. São os seguintes :

http://www.h-debate.com/

http://www.cbarros.com/

Anónimo disse...

Apraz-me aqui registar esta iniciativa levada a cabo por recem licenciados. Resta-me, deixar os meus mais sinceros votos de que este projecto possa frutificar!

Anónimo disse...

Muito me apraz saber da vossa inten�o de criar um Centro de documenta�o relativo � Hist�ria de Avintes. Estou neste momento a come�ar um trabalho de investiga�o ( no �mbito de um mestrado)e gostaria de saber onde posso encontrar, em maior n�mero, documenta�o relativa �s colectividades de teatro amador de Avintes. Obrigada.

Alves dos Reis disse...

Caro leitor,
queira por favor enviar-me um email para luisalvesdosreis@gmail.com e eu farei chegar o seu pedido a "bom porto". Felicidades para o seu mestrado.
Atenciosamente,
Luís Alves dos Reis